sexta-feira, 7 de março de 2014

não queria ser branca

Por apenas 19,90 era possível comprar um vestido indiano de algodão cru e todo branco, que não dava para usar porque parecia roupa de umbanda. Nada contra a umbanda, mas eu precisava de tinta e não me decidia entre o azulão, o vermelho e o amarelo ovo, a vida mora nas cores que me vestem e eu queria irradiar a luz das cores. Nada contra o branco em si, mas eu precisava de força e energia em uma semana em que corri não contra, mas atrás da maré, o que é muito pior. As marés, que vão adiante e levam tudo o que vem pela frente, impondo sempre uma direção única. Nada contra o que vem por trás ou pela frente, ou quanto a seguir apenas uma direção, mas o meu geminianismo latente me impede de ter foco e me leva para todos os lados, a tentar agarrar com punhos fechados alguma possibilidade de vida que seja menos fragmentada em pedacinhos.
 
Eu acabava de levar um fora pelo WhatsApp, de descobrir que eu era um lixo ao invés de um luxo, quando atravessei a rua para entrar no Extra 24 horas. O mendigo da encruzilhada ainda teve tempo de analisar a espessura do meu pescoço e de gritar pra todo mundo ouvir “só pode ser travesti!”. Andei mais segura – para ser travesti é preciso, em primeiro lugar, saber andar – e atravessei a rua em meio aos rojões da final de jogatinas futeboleiras de quarta-feira e trovoadas dos infernos sempre que sobem aos céus, escapei meio zaga dos meninos da Unicef de colete laranja e peguei um mini carrinho e um vaso de gerânios.
 
Daí recebi a mensagem de uma amiga comunicando que, naquele exato momento, ela jantava nhoque rústico, acompanhado por cerveja belga. Nada contra a rusticidade das coisas, mas o que seria um coração rústico, um Tylenol rústico, um pentagrama rústico? Tudo não passa de uma questão semântica ou linguística? De estática ou status? Estética? Estaremos todos acondicionados em embalagens Zippack, à procura de um arzinho que nos dê um quê de personalidade? Fui direto para o carrinho de ofertas: o catchup colombiano por 1,99 cairia muito bem como estampa naif para o vestido indiano de algodão. Poderia passar por matéria sanguinolenta, até. Rústica.

 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário