quarta-feira, 8 de outubro de 2014

esquema

De um mundo cinza, era uma gente em um programa de lazer cinza, na foto do Instagram. Tiravam fotos cinza para exibir sua realidade não-invejável. Acreditavam-se invejáveis. Em uma previsibilidade de matar. O nascer, crescer, reproduzir, envelhecer e morrer nunca fez tanto sentido para eles. Eles simplesmente aceitam o ciclo da vida. Como se isso fosse a coisa mais natural. Eles são uma linha que vai reta até o fim. Querem dar esse exemplo para os filhos: uma menina, mais nova, um menino. Na fila do hipermercado à beira de uma marginal. A moça quer ter progressiva e saltinho pro resto da vida. Não é possível ser uma profissional bem-sucedida sem progressiva e saltinho. 

Ele joga seu futebol de salão às quartas. Sexo aos finais de semana, escondidinho dos filhos, meio rápido, gozos comedidos para não atrapalhar a vizinhança. Gozos meios.
Só que ninguém segue essa ordem, você se força a acreditar nisso. Tem gente que morre, envelhece, nasce e não reproduz. Outros até nascem e morrem, daí nascem e morrem, intercaladamente, até o dia que chegar a grande morte. Outros reproduzem, reproduzem, reproduzem, reproduzem. Enquanto uns não param de crescer. Outros, de envelhecer. Mas eles acreditam que cumprem ou que deveriam cumprir todo o ciclo, pois é o que está escrito nos livros. Eu nem sei o que eu fiz primeiro. E o que já cumpri desse esquema básico e uniformizador de vidas. Tipo uma colinha na palma da mão, pra dar uma facilitada. É só seguir que não tem erro. E se não seguir, morte. Aos leões. 


Culpa sua. Mania de ser diferente. De contrariar as regras. Aí se fode e não sabe o porquê! Bem feito, infeliz! Um a menos pra encher o saco do mundo. A pessoa tem chance, mas não quer. Aí não tem o que fazer. Tem que se ferrar mesmo. Ninguém mandou ser burro. E o pior, acha que é esperto. Que pode burlar as regras. Todo mundo segue, mas ele não. Quer bancar o engraçadinho. Furar a fila da sequência da vida. Parece besta. Aí depois chora, entra em depressão. E vai dar trabalho pra família. Dar despesa. Pagar tratamento, psiquiatra. Gente assim deveria ser presa e nunca mais voltar. Ver o sol nascer quadrado, escuro, broxado, pra ver o que é bom. Gente assim tem mais é que morrer. Quanto ficou a corrida, moço?

Nenhum comentário:

Postar um comentário